Africa Basquetebol

21 junho 2011

MOÇAMBIQUE : CAMPEONATO DE BASQUETEBOL DA CIDADE DO MAPUTO EM SENIORES FEMININOS - Novo "dream team" já marca a diferença


FEZ apenas o primeiro desafio da temporada, mas já se vê que marca a diferença, sobretudo do ponto de vista competitivo e de abordagem do jogo. Aliás, outra coisa não seria de esperar face a uma equipa constituída por craques que se conhecem até de olhos vendados. Estamos, pois, perante um novo “dream team”, a Liga Muçulmana, fruto da desagregação completa do Desportivo e que na estreia no Campeonato de Basquetebol da Cidade do Maputo em Seniores Femininos vincou que veio para jogar ao mais alto nível e discutir os títulos com muita determinação.

Entrando na prova agora na segunda jornada, após ter folgado na ronda inaugural, a Liga Muçulmana teve pela frente o Maxaquene e venceu pela marca de 60-44, no epílogo de uma partida caracterizada por muito equilíbrio, embora a ascendência da formação treinada por Nazir Salé fosse sempre evidente, razão bastante para o seu triunfo por 16 pontos.

Na turma “muçulmana”, se não espantou a ninguém a presença de atletas como Anabela Cossa, Valerdina Manhonga, Odélia Mafanela, Cátia Halar, Filomena Micato e Leia Dongue, cuja transferência do Desportivo para a nóvel formação já era conhecida, a surpresa, agradável para os adeptos desta colectividade, tem a ver com Deolinda Ngulela, uma excepcional jogadora que na última década esteve nos Estados Unidos da América, onde fez furor na bola-ao-cesto universitária.

Deolinda é, inquestionavelmente, uma atleta à altura de elevar a Liga Muçulmana aos níveis e ambições preconizados pela sua equipa técnica, os quais passam pela conquista do título nacional e disputa em grande das competições continentais. Por outro lado, e tendo em conta a sua vasta experiência, a “americana” será um reforço de excepcional vulto à selecção nacional, que tem pela frente os Jogos Africanos de Maputo-2011, em Setembro, e o Afrobásquete do Mali, entre Setembro e Outubro.

Já o Maxaquene, com um conjunto claramente renovado e num ano em que se procura em se relançar no básquete feminino, após autêntica travessia do deserto nas últimas temporadas, quando uma desorganização jamais vivida no seu departamento de basquetebol levou à “fuga” de renomadas jogadoras para Ferroviário e A Politécnica, apresentou-se bem, dentro dos parâmetros que o seu plantel oferece. Destaque para a presença das experientes Nádia Rodrigues, Ondina Nhampossa e Deolinda Gimo, que ao lado de várias debutantes procuram formar uma equipa competitiva e à altura dos desígnios do clube.

No desafio entre dois conjuntos concorrentes ao título da capital do país, A Politécnica “A” derrotou Ferroviário por 41-37, num jogo de fraco nível técnico, facto que acabou por se reflectir no próprio resultado final. O Desportivo, hoje depauperado e longe dos seus pergaminhos, apenas marcou 17 pontos diante de A Politécnica “B”, que ganhou pela marca de 52-17.

Enquanto isso, em seniores masculinos, prossegue amanhã a disputa da Taça Maputo, com a efectivação de duas partidas, no campo do Ferroviário. Às 18.30 horas, frente-a-frente estarão Real Sociedade e Maxaquene, para a quarta jornada, e, a partir das 20.00, jogarão Matolinhas e Costa do Sol, referente à quinta ronda.

10 Comments:

Enviar um comentário

<< Home