Africa Basquetebol

10 junho 2015

ANGOLA : Quezada anula vantagem do Libolo



Inspiração do base Emanuel Quezada deu a vitória aos petrolíferos da capital
Fotografia: Jornal dos Desportos
Acreditar até ao fim. Foi o que a formação do Atlético Petróleos de Luanda fez ontem, para derrotar o Recreativo do Libolo, em pleno Pavilhão do Dream Space, em Viana, por escasso um ponto de diferença (89-90), na quarta partida dos play-offs da 37 edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, a melhor de sete. Emanuel Quezada, dominicano naturalizado norte-americano voltou a ser decisivo na partida, ao converter os dois pontos a nove segundos do termo da partida que deu o triunfo a equipa forasteira, anulando a vantagem do Libolo.

Um gesto obsceno do internacional angolano, Carlos Morais, dirigido a claque do Atlético Petróleos de Luanda, depois deste ter convertido um lançamento a longa distância, provocou a ira dos adeptos que arremessaram objectos contundentes para a quadra, obrigando o trio de arbitragem liderado por Fernando Pacheco "Baganha" a paralisar a partida.

Quando o Libolo prepara-se para festejar a vitória, eis que Emanuel Quezada nos segundos finais da partida tratou de ofereceu a vitória ao Petro, que igualou a final (2-2). Com seu tradicional cinco, constituído por Emanuel Quezada, Roberto Fortes, Leonel Paulo, Hermenegildo Mbunga e Janson Cain, os petrolíferos da capital conseguiram superiorizar-se no primeiro período, onde conseguiram um parcial de 24-18.

Emanuel Quezada e Jonson Cain, ambos a cumprirem a primeira época desportiva ao serviço da equipa petrolífera, eram os mais inconformados, ante a apatia da formação caseira, que esteve simplesmente irreconhecível, fundamentalmente, nos lançamentos a longa distância. O segundo quarto foi o oposto do primeiro, ou seja, os campeões nacionais em título reajustaram a sua defesa e passaram a ser mais eficientes no ataque, ao contrário do seu opositor, tendo marcado 29 pontos, contra 18 da equipa tricolor, o que perfez 47-42 a favor dos libolenses ao cabo dos primeiros 24 minutos.

Nesta etapa, dos 20 lançamentos tentados a longa distância, a formação do Recreativo do Libolo converteu apenas cinco, ao passo que a equipa forasteira dos 12 que tentou, converteu cinco. Dada a ineficácia do jogo exterior, as duas equipas passaram a apostar no jogo interior, onde eram bem sucedidos, principalmente, o Recreativo do Libolo que foi ao intervalo com uma vantagem de cinco pontos (47-42).

No terceiro período, as duas equipas entraram determinadas, quer a defender, quer a atacar, tendo se registado uma igualdade a 21 pontos. E para não variar, as equipas encontravam soluções no jogo interior, em função da ineficácia nos lançamentos exteriores. O equilíbrio foi mais uma vez a matriz da partida, apesar dos libolenses terem terminado em vantagem de cinco pontos (68-63).

O quarto derradeiro começou a feição para os petrolíferos da capital que conseguiram a igualdade a 68 pontos, quando restavam dez minutos e 50 segundos para o termo da partida. Apesar da igualdade (68), os pupilos de Norberto Alves mantiveram a serenidade, e num espaço de um minuto conseguiram desfazer-se da igualdade, para a tristeza da claque do Atlético Petróleos de Luanda que só apoiava quando a equipa tivesse a liderar o marcador.

No derradeiro quarto, os petrolíferos da capital foram mais felizes, fruto da determinação evidenciada ao longa da partida. Carlos Morais, do Recreativo do Libolo, com 24 pontos foi o cestinha da partida. No Petro, Quezada e Janso Cain marcaram 21e 19 pontos respectivamente. O trio de arbitragem constituído por Fernando Pacheco "Baganha", David Manuel e Mbunga Pedro com um, ou outro erro, não teve influência no resultado final.
 As duas equipas voltam a jogar amanhã, no Pavilhão Principal da Cidadela.

BIC Basket
Moncho López destaca qualidade dos jogos

A qualidade de basquetebol apresentada pelas formações do Petro de Luanda e do Recreativo do Libolo, equipas que disputam o título da 37ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino, agora designado BIC Basket, está a deixar impressionado o novo seleccionador nacional, Moncho López, que nos próximos dias vai anunciar a lista da pré-selecção, para o Campeonato Africano das Nações da Tunísia, prova a decorrer de 19 a 30 de Agosto do ano em curso.

Na capital do país, desde a última semana, onde tem acompanhado a parte crucial da 37ª edição do Campeonato Nacional da “bola ao cesto”, destacou igualmente o ambiente festivo que marcaram as partidas dos “play-offs” da final, a melhor de sete. “Primeiro deve aqui reconhecer-se que estou a gostar do ambiente fascinante nos pavilhões. Na cidadela, no primeiro jogo que vi, uma quadra enorme e com bastante público foi de facto maravilhoso ver as duas equipas a proporcionarem um bom espectáculo. No Dream Space, também tivemos boa casa e mais uma vez as duas equipas exibiram-se ao mais alto nível”.

Apesar do equilíbrio que  marcam as partidas dos “play-offs”, o seleccionador nacional afirmou que a qualidade dos jogos  pode ainda melhorar e muito, a julgar pelas qualidades natas dos atletas angolanos. “Em termos de exibição ainda não estou a gostar, há grandes despiques, apesar de alguns momentos registar um certo desequilíbrio favorável ao Libolo, mas a atitude e a entrega dos atletas do Petro fazem com que os jogos sejam disputados até ao último minuto”.

Moncho López enalteceu ainda o dispositivo  táctico apresentado pelas duas equipas, fundamentalmente, no capítulo defensivo. “Estão a ser marcados muitos pontos, temos de ressaltar isso, sempre é bom para o espectáculo. Os atletas estão a demonstrar uma grande capacidade de lançamentos, mas estou a gostar mais sobretudo do equilíbrio, porque as equipas procuram opções interiores como exteriores. Em termos defensivos noto que existe uma preparação por parte dos técnicos que ensaiam várias diagramas, mais ainda assim, acho que os ataques estão a superar as defesas”, finalizou o seleccionador nacional.
M.C    

FICHA TÉCNICA
Pavilhão: Dream Space
Comissário: Soares de Campos
Arbitragem: Fernando Pacheco "Baganha", David Manuel e Mbunga Pedro

Libolo: Olímpio Cipriano ( 10), Luís Costa (7 ), Carlos Morais (24 ), Elmer  Félix ( 8), Vlademir Pontes ( 0), Braúlio Morais (3 ), Ezequiel Silva ( 0), Valdelício Joaquim (11 ), Eric Coleman ( 12), Filipe Abraão ( 0), Eduardo Mingas (14 ), Joseney Joaquim ( 0).
Treinador: Norberto Alves

Petro: Pedro Bastos ( 0), Roberto Fortes ( 12), Vlademir Ricardino (2 ), Paulo Santana (0 ), Emanuel Quezada ( 21), Leonel Paulo (15 ), Domingos Bonifácio ( 6), Hermenegildo Mbunga ( 15), João Fernandes ( 0), Eduardo Ferreira (0 ), Edson Rosário ( 0), Janson Cain (19 ).
Treinador: Lazare Adingono
Marcha do marcador: 18-24, 47-42, 68-63, 89-90

MVP
 Leonel distinguido

 O internacional angolano, Leonel Paulo, recebeu ontem, das mãos do presidente da Federação Angolana de Basquetebol, Paulo Alexandre Madeira, o troféu de MVP (Jogador Mais Valioso) da fase regular da trigésima sétima edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos (BIC Basket).
O extremo poste esteve em grande destaque durante as fases anteriores, tendo contribuído para a excelente campanha da sua equipa, que entrou para o Campeonato Nacional da bola ao cesto sem qualquer ambição no que ao título diz respeito. Leonel Paulo foi o melhor marcador dos petrolíferos da capital, tendo se destacado igualmente  a nível dos ressaltos. Entretanto, o internacional angolano tem passado ao lado dos play-offs da edição 37 do BIC Basket.
M.C

7 Comments:

Enviar um comentário

<< Home