Africa Basquetebol

31 julho 2014

ANGOLA : Angola e Moçambique na meia-final



Jovens angolanos procuram a segunda vitória na competição depois de baquearem diante do Brasil na primeira jornada da prova
Fotografia: José Cola
A Selecção Nacional de Basquetebol em Sub-16 masculina procura, hoje, a partir das 17h00, no pavilhão anexo número dois da Cidadela Desportiva, a sua segunda vitória no torneio da IX edição dos Jogos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), quando medir forças com a similar de Moçambique, em partida pontuável para a quinta e penúltima jornada.
O combinado nacional às ordens do técnico Joaquim Pinto tem feito uma campanha pouco conseguida. Perdeu na estreia diante da formação do Brasil, foi superior diante da selecção de São Tomé e Príncipe e folgou na terceira jornada. Tanto Angola como Moçambique conseguiram a única vitória diante da  selecção de São Tomé e Príncipe.
Os angolanos venceram os ilhéus por 57-39 e os moçambicanos, por 55-48. Os resultados servem para atribuir favoritismo à equipa nacional. A cada jogo tende a melhorar o desempenho. O "cinco" nacional jogou ontem com Portugal. Os "tugas" foram mais fortes. No jogo de hoje frente ao país irmão do Índico, Angola vê-se obrigada a vencer de modo que na final, marcada para amanhã, possa lutar por um dos três lugares cimeiros.
O Brasil, que folga hoje por imperativo de calendário, continua imparável. Ontem somou a quarta vitória na competição diante de Moçambique, depois de ter estreado com vitória diante da equipa anfitriã, bater Portugal na segunda jornada e cilindrou São Tomé e Príncipe. Face à desistência de Cabo Verde, a final marcada para amanhã, a partir das 10h00, vai ser disputada entre os quatro primeiros classificados da fase regular. O líder joga com o segundo e o terceiro mede forças com o quarto.

O quinto posicionado está impedido de jogar. O torneio tem sido marcado pela presença de pouco público. A realização de jogos nas horas de expedientes pode estar na base da situação. Hoje, a final vai ser brindada com uma presença aceitável de público. O técnico angolano preconiza "terminar o torneio com maior dignidade".